quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

CAPITU

TV Globo/divulgação
Assisti a estréia de Capitu, ontem na TV Globo. Claro, não tinha como desprezar uma adaptação destas. Machado de Assis e sua mais popular e polêmica obra, os personagens mais perturbadores da literatura brasileira na televisão, com muita grana e a certeza de ver algo diferente e ousado no que se refere aos padrões Globo de entretenimento. Bom, confesso que gostei, apesar de duas ou três coisas terem me incomadado. A primeira foi a música. Ok, Machado é universal, extrapola fronteiras, atemporal mesmo, agora guitarra distorcida e rock em língua inglesa realmente foi muito para os meus ouvidos. Interessante a idéia de misturar o antigo e o moderno, como disse, Machado chega até nós fresco como Capitu, mas eu apostaria e gostaria de ter ouvido uma trilha mais brasileira, mesmo. Perdão, Tim Rescala, mas estranhei muito. Outra coisa que me incomodou foi a beleza e a sensualidade exaltada da atriz Letícia Persiles diante da meninice do pequeno Bentinho. Tudo bem, "ela parece ter 17 anos", como nos disse Machado. Mas o Bentinho não precisava aparentar ter 12, né? Por favor!! Ah, e a prima Justina como uma velha meio caquética? Gente será que li errado o livro? Amei, no entanto, a cena do muro, no jardim... Fiquei imaginando como essa passagem do texto seria mostrada na tela e me surpreendi tanto com o desenho de giz no chão e eles rodando, riscando.... beleza pura!

4 comentários:

Living Away disse...

"nao tive filhos, nao transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miseria!"
essa frase que encerra memorias postumas de braz cubas me acompanha desde quando eu a li pela primeira vez, aos 13 anos.
to troncha de vontade de ver capitu. ai dea, vai comentando pra eu poder ter a sensacao que eu to vendo, pleaseeee!!
eu simplismente amo esse meu primo...brincandeirinha!

beijos!

andrea lion disse...

haha, lelê, o brás cubas é o meu preferido do Machadão!!! Sem dúvida!!
a frase me acompanhou muito, até ter a clarice, esse raio de luz na minha vida!
e Capitu, a série, tem um pouco de brás cubas, sim, o recurso narrativo. enfim... o bom e velho Machado! queria gravar mas sou ÓRRIVEL nestas coisas. e hoje vou sair a noite e nem sei como vou ver o segundo capítulo, acho que vou dar uma de velha e voltar correndo pra casa!!!! hehe.
bjs querida!!!

Anônimo disse...

Deinha, voltar para casa? dar uma de velha? NEM PENSAR MULHER.vamos entrar na pista de dança, curtir as conversas, pode ser?
vc é peça principal meu bem , nao opde sair de finho nao.
ta maluca??? rs bjs
ps, deinha se puder leva a maquina?? quem sabe hj saia finalmente uma foto loegal minha com o cello???
obrigada Noar

Anônimo disse...

Realmente Déa essa história de prima Justina caquética não combinou muito com o desenrolar do Dom Casmurro.
Preciso ver com poesia (como vês) a cena do muro. Você me fez ficar com vontade de rever a cena.
Abraços.
PS: Escreves muito bem! Parabéns! De onde vens, das artes?

Antônio (antoniuspereira@hotmail.com)