sexta-feira, 26 de junho de 2009

KING OF POP

Assistindo ontem a um documentário na Globo News sobre a morte inesperada do Rei do Pop, minha filha, indignada com o meu monópolio da TV (ela tinha acabado de ganhar o aparelho!), me pergunta, quando a imagem mostra Michael, há poucos anos, cantando num show espetacular no Japão: "É esse o Michael Jackson, mãe?". E eu respondo: "É, Clarice". Na sequência, a imagem muda, vem Thriller, e mais uma vez a pergunta:"É esse o Michael Jackson, mãe?". E eu respondo: "Sim, Clarice, é esse!". Por fim surge na tela aquela carinha de anjo black power dos Jackson 5. "Quem é esse, mãe?" - pergunta ela. E eu respondo: "Michael Jackson, Clarice!!!!". E ela não se contém: "Caramba, mãe, mas quantos Michael Jackson são?".

Difícil explicar para uma criança a radical mudança na feição de uma ídolo tão querido por milhões de pessoas. E a mim não interessa a cara que ele escolheu ter. O que realmente importa é que ele me fez dançar. Primeiro juntinho, de rosto colado, nas domingueiras dançantes promovidas pelas turminhas de escola ao som de I'll be there e outras baladas dos Jackson 5. Sim, só me lembro das baladas, coração na boca, rosto suando, respiração quente.... Depois, quando eu completava exatos 13 anos, veio Thriller!!!! E dancei, imitando Michael Jackson, na garagem de casa, na garagem dos vizinhos, na garagem das minhas tias em Goiânia, onde passei as férias daquele ano e em quase todas as festas que fui e que acabam em dança. Michael Jackson é um clássico, isso não se discute!! Dancei muito, gel molhado no cabelo, ombreiras e tudo o que a moda pedia. Ah, os anos 80!!! Eternos anos 80!!

6 comentários:

Arnaldo disse...

Eu só curti aquela primeira fase, quando eu e ele éramos moleques. Gostava do desenho que passava na TV com os Jackson Five. Conforme fui crescendo fui me desinteressando dele e da música POP americana de uma forma geral.

A n d r é a disse...

eu também não to nem aí se ele resolveu ter uma cara de lagarto ou de gueixa, não me importa mesmo! ontem e hoje a vitrola foi dele, do thriller, do off the wall, dos 5. to estranha, doída. dancei até. rs.

Valéria Martins disse...

E as piadas já começaram... Aí vão duas:

1) Michael Jackson era preto, ficou branco e agora virou cinza.

2) Michael chega no céu, recebe as boas-vindas de São Pedro, olha em volta e pergunta, ávido: "Cadê o Menino Jesus?"

São infames e desrespeitosas, mas vc sabe como somos nós, brasileiros...

Bjs

Arnaldo disse...

Já que a Valéria enveredou pro lado das piadas, vai aí uma bem velha:

Em sua visita pelo Brasil, uma pessoa ofereceu para o Michael Jackson uma caixa de bombons da Lacta e outra caixa da Nestlé, mas ele recusou dizendo:

- Não, obrigado. Eu só como Garoto.

eLi disse...

Não sou da época mais produtiva de Michael, infelizmente (pelo menos para poder acompanhar). Mas cresci, inevitavelmente, ouvindo suas canções. (Cheguei a acompanhar o desenho dos Jackson Five, mesmo sem saber quem eram na verdade [além de desenhos]).
Me lembro bem de 1993 quando fez um show da turnê Dangerous aqui no Brasil. Eu nem tinha dez anos, motivo pelo qual nem poderia pensar em assistir de perto. De lá para cá, infelizmente, sua vida pessoal bizarra superou sua carreira.
Acho chato essa velha moda de "endeusar" pessoas depois da morte. Mas no caso de Michael, ainda havia esperança de vê-lo de volta, pelo menos por cinquenta shows (talvez por isso o título de rei não veio antes [como ocorreu no futebol a Pelé, que encerrou sua vida profissional no auge {não esperou a decadência de seus resultados}]). Mas a morte foi um atestado, uma constatação de que "quem viu,não verá mais". E então o título de rei foi confirmado in memorian.

Piadas ótimas, não há como não rir!
E o cantor ainda se revirará e fará muitos passinhos no tumulo, pois as notícias não param e nem têm previsão para tal. (A onda agora é de que seus filhos não são seus, biologicamente [e nem a mãe os quer, pois fora contratada para barriga de aluguel]).

Uffa...

Belo post. Dá uma vontade de ter vivido essas coisas dos anos 80, já que nossos 90 e 2000 andam tão sem sal...

Beijo!

Vanessa Dantas disse...

Clarice sempre surpreendendo! beijo pras duas.