sexta-feira, 21 de novembro de 2008

MINHA ARMA É O QUE A MEMÓRIA GUARDA

A Panair do Brasil era para mim, até ontem, uma espécie de mito. Lá nos sertões de Minas, onde avião demorou muito a pousar, eu só conhecia a Panair através da música do Milton Nascimento e do Fernando Brant na voz da Elis, um grito!! Ontem assisti ao documentário Panair do Brasil de Marco Altberg e me surpreendi com a bela aula de história sobre esse período (opss... ia falar período negro, perdão Zumbi!!!), sobre esse período lamentável da nossa história em que os militares deitaram e rolaram neste pais. Um caso de violência jurídica, uma das mais veladas e violentas formas de coagir, porque não sangra... Vale muito a pena ver este filme e mostrá-lo para as novas gerações. Não só porque nos conta uma 'história mal contada', mas também por mostrar a força da luta dos funcionários da antiga companhia em manter viva a memória da Panair . Eu ainda posso dizer que o filme me tocou de um modo muito particular e me emocionei de verdade quando o Paulo Betti interpreta a crônica de Carlos Drummond de Andrade "Leilão do ar" e Elis a canção do Milton e do Brant "Conversa de bar - saudades dos aviões da Panair". Os artistas realmente são as antenas desse mundo, essa crônica e essa canção falam mais que milhares de palavras.... Claro, todo o contexto traçado pelo filme é de fundamental importância para que tudo fique mais claro e o espectador possa, sozinho, compreender toda aquela história. Transubstanciar esse absurdo, essa indignação histórica em música, poesia e arte é realmente uma tarefa para poucos!!! Encontrei um post da música no youtube (não é a mesma imagem que a aparece no filme, mas é a mesma música e com a Elis - linda, vestida de dourado, como ela aparecia no grande poster pregado na melhor parede do meu quarto quando eu era adolescente, outras memórias....) A crônica do Drummond, infelizmente não encontrei.

4 comentários:

Anônimo disse...

O filme realmente mexe. Tem o making of dele no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=ZugAwbYd-vY
Tem também um livro que saiu ano passado pela Record sobre a violencia contra a PanAir, o Pouso Forçado.

Andréa Lion disse...

boa, anônimo, era preciso falar do livro, que aparece no filme na noite de lançamento.... vou ver o making off!!

Belle de jour disse...

O filme mexe mto mesmo, tb postei umas coisas sobre ele. Achei o vídeo da Elis, o mesmo do filme,
bjs

eLi disse...

"Tomei um susto imenso..."
Me emocionei, de novo.
Adoro Elis, uma paixão, mito e saudades.

Ouço a canção desde pequeno, mas nunca soube o que era Panair (panela{imagine as asas da panela}). Até que comprei um disco de Elis e morri de rir com o real significado da música. Isso ainda pequeno.

Quero ver o filme!

beijo,